terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Top 2014 - Posters de Cinema

Dos filmes que vi deste ano estes foram os posters de cinema que mais gostei. São posters estilizados, que suscitam estranheza e de grande efeito visual. Conseguem fugir do design gráfico habitual e convencional e criam uma linguagem própria que muito têm a ver com o espírito de cada filme. Mais difícil ainda: apesar de alguma abstracção subjacente destes objectos, conseguem comunicar com o espectador pela sua força plástica. 

Gosto especialmente da pintura quase impressionista para o maravilhoso filme "Winter Sleep" (hei-de escrever sobre ele um dia destes), o poster do filme de terror "The Babadook" (que só precisa daquela medonha silhueta negra para explicar o teor do filme), e a ideia da duplicidade de identidade do filme "The Enemy":


segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

domingo, 28 de dezembro de 2014

2014 - O Adeus



Em 2014 desapareceram do mundo dos vivos muitas e grandiosas personalidades das artes e da cultura: do cinema à literatura, das artes plásticas à música. O mundo ficou mais pobre sem estes artistas.

Nota: selecção da minha responsabilidade (nomes ordenados alfabeticamente):

Alain Resnais, Realizador (91 anos)
Bobby Wamack, músicos e compositor (70 anos)
Bob Hoskins, Actor (72 anos)
Charlie Haden, Músico de Jazz (76 anos)
Claudio Abbado, Maestro (80 anos)
Elli Wallach, Actor (99 anos)
Frankie Knuckles, DJ (59 anos)
Gabriel García Marquez, Escritor e Jornalista (87 anos)
Gordon Willis, Director de Fotografia (84 anos)
H.R. Giger, Pintor e Escultor (74 anos)
Harold Ramis, Actor (70 anos)
Joe Cocker, Cantor (70 anos)
João Ribas, Músico dos Censurados (49 anos)
James Garner, Actor (86 anos)
João Ubaldo Ferreira, Escritor (73 anos)
José Wilker, Actor (69 anos)
Jimmy Scott, Cantor de Jazz (89 anos)
Lauren Bacall, Actriz (89 anos)
Mike Nichols, Realizador (83 anos)
Mickey Rooney, Actor (93 anos)
Manoel de Barros, Poeta (97 anos)
Miklós Jancsó, Realizador (92 anos)
Nelson Ned, Cantor (66 anos)
Nadine Gordimer, Escritora (90 anos)
Paul Mazursky, Actor e Realizador (84 anos)
Pete Seeger, Músico (94 anos)
Paco de Lucia, guitarrista de flamenco (66 anos)
Philip Seymour Hoffman, Actor (47 anos)
Robert Ashley, Compositor (83 anos)
Robin Williams, Actor (63 anos)
Richard Attenborough, Realizador e Actor (90 anos)
Shirley Temple, Actriz (85 anos)
Tomy Ramone, Músico dos Ramones (65 anos)
Vasco Graça Moura, Poeta e Ensaísta (72 anos)
Virna Lisi, Actriz (78 anos)

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Top 2014 - Livros

Confesso que foi um ano de escassa e irregular leitura. Ainda não terminei de ler alguns destes títulos (ensaios e romances). Entretanto, tenho outros em "fila de espera" que irão ser degustados só no decorrer do novo ano.
Ei-los:



“O Rei Pálido” – David Foster Wallace
“So This is Permanence. Ian Curtis and Joy Division Lyrics and Notebook” – Deborah Curtis & Jon Savage
“Entrevistas de Nuremberga” – Leon Goldensohn
“No Café das Juventude Perdida” – Patrick Modiano
“Jacques o Fatalista” - Denis Diderot
“A Verdadeira História das SS” – Adrian Weale
“Nove Histórias” – J.D. Salinger
“Lei Seca” – Pedro Mexia
“Obra Completa” – Álvaro de Campos
“Teremos Sempre Paris” Ray Bradbury
"Bifes Mal Passados" - João Magueijo
“O Caminho do Sacrifício” – Fritz Von Unruh
“Não Humano” – Osamu Dazai
"Cansaço, Tédio, Desassossego" - José Gil
“Diários de Viagem” – Franz Kafka
A Instável Leveza do Rock” – Paula Guerra
“O Capitalismo Estético na Era da Globalização” – Gilles Lipovestsy & Jean Serroy
“Machinas Fallantes - A Música Gravada em Portugal no início do Século XX” – Leonor Losa






















Top 2014 - Filmes


Este ano estrearam em Portugal mais de 300 filmes. A nível mundial as estreias e lançamentos de filmes terão rondado um número perto dos 900 títulos. Eu terei visto cerca de três dezenas de filmes de 2014. Como referi com os discos, o tempo não dá para mais. Nem a paciência, por vezes, para ver filmes meramente medianos, daí que a selecção se torne cada vez mais criteriosa. Faltam-me ver muitos filmes que constam nas mais prestigiadas listas (nacionais e internacionais).
Seja como for, os filmes que vi deste ano e de que gostei especialmente foram os seguintes (sem ordem de preferência):

“The Grand Budapest Hotel” - Wes Anderson
“O Sono de Inverno” – Nuri Bilge Ceylan
“Boyhood” - Richard Linklater
“Tom na Quinta” – Xavier Dolan
“Magia ao Luar” – Woody Allen
“A Dança da Realidade” – Alejandro Jodorowsky
“Blue Ruin” – Jeremy Saulnier
“Final Cut - Ladies and Gentlemen” - Palfi Gyorgy
“Ida” - Pawel Pawlikowski
“20.000 Dias na Terra” - Jane Pollard & Iain Foryth
“Agora? Lembra-me” – Joaquim Pinto
“The Babadook” – Jennifer Kent
“A Propósito de Llewyn Davis” - Joel Coen
“O Acto de Matar” – Joshua Oppenheimer
“Gone Girl”– David Fincher
“All is Lost” – JC Chandor
"Under The Skin” – Jonathan Glazer
“Alive Inside” – Michael Rossato-Bennett
“O Congrersso” – Ari Folman
“A Emigrante” – James Gray
“Borgman” – Alex van Wadermardam
“Jovem e Bela”- François Ozon
“A Vida Invisível” – Victor Gonçalves

Reposições em sala:
 Yasujiro Ozu
Satyajit Ray 
Charles Chaplin 

Edição Nacional do ano em DVD: "Ths Story of Film - An Odissey" de Mark Cousins. Edição Midas Filmes. Crítica aqui.


 

Top 2014 - Discos

2014 foi um ano intenso de trabalho, logo quase não me sobrou tempo para ouvir muita música. Cada vez perco menos tempo a ouvir discos novos porque demoro muito a encontrar bons discos que cumpram os meus requisitos de gosto (se calhar o problema é meu). Daí que regresse, cada vez mais, a relíquias musicais do passado porque sei que não me vão desiludir nem fazer perder tempo.

No entanto, dos discos editados este ano foram estes que mais prazer me deram (não necessariamente por ordem de preferência):

Discos internacionais:

Swans - “To Be Kind”
Liars - “Mess”
Ben Frost - “A U R O R A”
Einstürzende Neubauten - “Lament”
Perfume Genious - “Too Bright”
Hauschka - “Abandoned City”
Aphex Twin - “Syro”
Sharon Van Etten - “Are We There”
Scott Walker & Sunn 0))) - “Soused”
Bohren and Der Club of Gore - "Piano Nights"
Laibach - “Spectre”
TV On The Radio - "Seeds"
John Zorn - “Psychomagia”
Owen Pallett - “In Conflict”
Parquet Courts - “Sunbathing Animal”
Godflesh - "A World Lit Only by Fire"
BADBADNOTGOOD - “III”
Iceage - “You’re Nothing”
Shabazz Palaces - "Lese Majesty"
Tune-Yards - “Nikki Nack”
Prostitutes - “Petit Cochon”
Merkabah - “Moloch”
Tinariwen - “Emmaar”
The Bug - “Angels & Devils”

----------------

Discos portugueses: 

Jibóia – “Madlav”
Dead Combo – “A Bunch of Meninos”
Black Bombaim – “Far Out”
Norberto Lobo – “Fornalha”
Bruno Pernadas – “How Can We Be Joyful In A World Full Of Knowledge”
Mão Morta – “Pelo Meu Relógio São Horas de Matar”
PAUS – “Clarão”
Ermo – “Ronda das Mafarricas”
The Partisan Seed - "Angels on the Boardwalk"
The Legendary Tigerman – “True”
Rodrigo Leão - "A Vida Secreta das Máquinas"
Birds Are Indie - "Love is Not Enough"
Gala Drop – “II”
Tiago Sousa – “Samsara”
Sensible Soccers – “8”

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Música ideal para o Natal

Esqueçam o materialismo que o Natal acarreta e que a sociedade de consumo nos impinge. Por momentos, e especialmente neste dia, pensem em propagar os valores que ainda sustentam a estrutura da nossa sociedade: amizade, solidariedade, família, partilha, amor, dádiva, entrega, afecto, ternura... E pratiquem depois de escutar esta belíssima banda sonora de Danny Elfman. Porque "Eduardo Mãos de Tesoura" de Tim Burton explora todos aqueles valores e sentimentos. Logo, para mim é o melhor filme para o Natal que se possa imaginar. Mais ainda com a emotiva e inspiradora música de Elfman.
Fica a sugestão.
 

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Tarantino e os cenários de filmes

Caro leitor: conhece este sítio? Provavelmente, não. 
Trata-se do Pat & Lorraine's Coffee Shop, situado em Ridgeview Avenue, nº 2285, em Los Angeles (California). E o que tem de interessante? Bom, basicamente, porque este café serviu de cenário para o filme "Reservoir Dogs" (1992) de Quentin Tarantino, mais propriamente a cena em que o gang toma o pequeno-almoço e discute a letra "Like a Virgin" de Madonna.
Com a ajuda do Google Maps, o site ShortList seleccionou alguns locais icónicos que serviram de cenários para filmes de Tarantino, como "Inglorious Basterds", "Pulp Fiction", "Kill Bill" ou "Death Proof".
Para ver mais exemplos, clicar aqui.

domingo, 21 de dezembro de 2014

Clássicos de Chaplin!

Eis uma extraordinária edição em forma de pack de DVD: "Chaplin Hoje". São dez filmes geniais de Charlie Chaplin apresentados por outros tantos realizadores importantes (Bertolucci, Chabrol, Jarmusch, Kusturica...). Para além das cópias restauradas o pack da Midas Filmes vende-se ao preço quase simbólico de... 15€! Quinze euros por dez filmes grandiosos do insuperável Chaplin. Querem melhor prenda de Natal para oferecer a um amigo cinéfilo?
Link para mais informações.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

A Manhã de Natal segundo...

Lembram-se há um ano ter publicado um vídeo no qual - de forma divertida - se fazia alusão ao Natal segundo o ponto de vista de vários realizadores famosos (ver aqui)?
Bom, os mesmos responsáveis, The Auteurs, decidiram realizar um segundo volume na mesma linha para assinalar o Natal de 2014. Ou seja, a "manhã de Natal" entendida segundo a estética de cineastas como Chaplin, David Lynch, Tarantino, Malick, Godard ou Hitchcock.
Nestas sequências de breves segundos estão condensadas as características visuais e temáticas de cada realizador. Muito interessante e bem divertido:

Nicholson

Desde 2010 que Jack Nicholson não faz um filme. Aos 77 anos, com 3 Óscares e 7 Globos de Ouro conquistados ao longo da sua carreira, consta-se que o actor sofre os inícios da doença de Alzheimer. Nicholson tem revelado sintomas como desorientação, confusão mental e esquecimento de acontecimentos recentes da sua vida pessoal.
A ser (infelizmente) verdade, é provável que não voltemos a ver este extraordinário actor representar no cinema.  

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

A necessidade do amor fugaz

São dois filmes diferentes, é certo. Passam-se em situações muito diferentes, com protagonistas distintos. Mas são dois filmes que se complementam pelo cerne da história, que se unem umbilicalmente pela urgência do amor, do afecto, da compreensão. Os personagens destes filmes, apesar das diferenças de idade, de profissão ou experiências de vida, possuem características comuns. São personagens, cada uma delas à sua maneira, à deriva, sem rumo no seio de uma vida rotineira, solitária e frustrante, na qual os sentimentos são inexistentes ou meramente residuais.
Estes dois pares, estas duas mulheres e estes dois homens, encontram-se fugazmente e vivem, intensamente, uma cumplicidade emocional inesperada. Uma cumplicidade que atenua um certo vazio existencial de que é feito as suas vidas, mas que não é suficiente para acreditar no amor em toda a sua plenitude. Por isso são filmes de uma melancolia tocante, porque estes personagens anseiam acreditar que o amor os pode salvar, dar-lhes um incentivo para resistir às sombras que os cobrem. E é essa melancolia que faz de "Lost in Translation" e "As Pontes de Madison County" duas obras imensas sobre o amor entre um homem e uma mulher que, subjugados a circunstâncias que não podem dominar, se entregam de corpo e alma a uma relação efémera, mas plena de profundo significado e de esperança.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Dalí e os postais de Natal

Em tempos que já lá vão era hábito na época de Natal qualquer pessoa enviar e receber coloridos postais de Natal para os amigos e família. Com o advento da comunicação digital institucionalizada e global, os votos de Bom Natal reduziram-se a meros mails impessoais e mensagens de texto abreviadas. 
Nos anos 60 e 70, um irreverente pintor chamado Salvador Dalí foi contratado por uma empresa para pintar postais de Natal apelativos e originais. Dalí, no seu estilo plástico e temático inconfundível, desenhou uma colecção de postais que tiveram relativa saída comercial (e que hoje são objectos raros e caros). 
Aqui ficam três exemplos:

domingo, 14 de dezembro de 2014

Kubrick e North: a história

Fui convidado a escrever regularmente no site Repórter Sombra. O meu primeiro artigo versa sobre o episódio curioso (mas sério) do diferendo que ocorreu entre o realizador Stanley Kubrick e o compositor para cinema Alex North a propósito do filme "2001 - Odisseia no Espaço"
Para ler na íntegra carregar aqui.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Oliveira a olhar o futuro


Manoel de Oliveira, homem e cineasta com uns impressionantes 106 anos de vida. Atravessou o século XX todo e tem quase 15 anos no século XXI. Refuta a ideia de reforma e ainda realiza filmes de forma apaixonada, como um miúdo que se maravilha perante a magia de uma câmara de filmar. Estreia esta semana a sua última obra, "O Velho do Restelo", certamente um filme que irá enriquecer (ainda mais) a sua carreira. É um homem que não olha para o passado, antes enfrenta com notável dinamismo o futuro como se fosse uma dádiva divina. 
O semanário Expresso entrevistou este artista ímpar a nível mundial e o resultado, sempre surpreendente, de grande lucidez e inteligência, pode ser lido aqui.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

A experiência de "Final Cut"



Do cinema húngaro contemporâneo não vem apenas o génio de Béla Tarr. Há também um outro cineasta que explora novas dimensões da Sétima Arte. Chama-se György Pálfi, tem apenas 40 anos e notabilizou-se com o filme muito pouco ortodoxo "Taxidermia" em 2006.
A verdade é que o último filme de Pálfi (datado de 2012) é um verdadeiro monumento de amor pelo cinema. Intitula-se "Final Cut - Ladies and Gentlemen" e conta a história de amor entre um homem e uma mulher a partir de imagens de arquivo de clássicos do cinema mundial. O "homem" é representado por Marcello Mastroianni, Chaplin, Woody Allen, Al Pacino, Robert De Niro, Brad Pitt e centenas de outros atores. Já a "mulher" assume as formas de Audrey Helburn, Greta Garbo, Diane Keaton, Gina Lollobrigida, Sharon Stone e muitos outras.
Confusos? 

Num primeiro momento, esta descrição pode parecer que seja um filme hermético e experimentalista sem sentido. Nada disso: é um filme fascinante e divertido que nos agarra desde o primeiro fotograma a partir de centenas de filmes diferentes (mais de 500) e que prova que a montagem é uma das mais importantes ferramentas do cinema.
Além das cenas de diversos filmes, a montagem também abarca diversas bandas sonoras deslocadas dos seus filmes originais e organizadas visando a coerência narrativa desta obra. "Final Cut", através do seu prodigioso trabalho de colagem, induz o espectador numa experiência cinematográfica e visual única. Uma experiência que une o universal e o individual e que nos transporta para a memória riquíssima da história do cinema, numa espantosa homenagem ao poder simbólico das imagens da Sétima Arte. Altamente recomendável, portanto.

Para ver o filme na íntegra abri aqui.

Eis um excerto do filme com uma sequência de dança e de beijos.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A solidão segundo Hopper

Olho sempre para a pintura de Edward Hopper (1882 - 1967) com delicada emoção. Observador atento da solidão humana na primeira metade do século XX, Edward Hopper consegue ser cada vez mais actual. Num mundo transbordante de tecnologia que nos liga em tempo real ao mundo global, o indivíduo torna-se escravo da mesma, tomando atitudes de pura alienação perante o que o rodeia.
Hopper teve essa sensibilidade de registar, em melancólicas e coloridas telas, esse sentimento de despojamento social, de espaços urbanos "com gente" mas onde não existe comunicação, afectos, ou resquícios de felicidade. Só existe silêncio e inquietação psicológica (como revela esta intrigante exposição de fotografia que prova como as pessoas preferem ver o telemóvel do que conversarem).
Expressão de solidão, vazio, desolação e estagnação da vida humana. À luz da expressiva e realista pintura de Hopper, é cada vez mais assim que vejo o meu mundo, no limiar de 2015: uma sociedade alienada, vazia, desolada, em silêncio perturbador, à espera que alguma luz ilumine a vida monótona e rotineira, sem esperança, sem fulgor para viver uma... vida.